"LIPODISTROFIA: O QUE É - TRATAMENTO - INFORMAÇÕES"


"Lipodistrofia "

São as mudanças que ocorrem pela má distribuição da gordura do corpo. Existe uma perda de gordura no rosto, glúteos, pernas e braços e acúmulo no abdômen, costas, pescoço e mamas. Essas alterações podem aparecer juntas ou isoladas. Há casos em que a gordura diminui em determinadas partes do corpo e aumenta em outras. E relatos em que o paciente somente perde gordura ou aumenta em algumas dessas regiões. As pessoas em uso de antirretrovirais devem ficar atentas, principalmente, às modificações no seu corpo e conversar com o médico que faz o acompanhamento.

A primeira providência do profissional pode ser mudar algum medicamento que o paciente esteja tomando, além de indicar atenção especial à alimentação e à prática de atividades físicas. Essas duas ações podem amenizar os danos da lipodistrofia e até mesmo evitar que esse efeito colateral apareça. As alterações mais graves podem ser corrigidas por cirurgias plásticas reparadoras. Elas são gratuitas e estão disponíveis em várias unidades da rede pública de saúde de todo o país.

Algumas das mais frequentes são: preenchimento facial com polimetilmetacrilato, para o tratamento da perda de gordura no rosto; lipoaspiração nas mamas, abdômen, giba (abaixo da nuca) e costas; implante de prótese glútea. Na lipodistrofia, também podem ocorrer alterações nas gorduras - colesterol e triglicérides - e no açúcar do sangue (glicose). São chamadas de alterações metabólicas, que podem levar ao aumento do risco de doenças do coração (cardiovasculares) e ao aparecimento do diabetes.

"Por que ela ocorre" 

Segundo o dermatologista Márcio Serra, membro da Câmara Técnica de Aids do Conselho Regional de Medicina do Rio de Janeiro (Cremerj) e membro do Grupo de Trabalho para abordagem da Lipodistrofia da Coordenação Nacional de DST/Aids (CNDST/Aids) do Ministério da Saúde, ainda não se sabe exatamente o mecanismo que leva ao aparecimento da lipodistrofia. Todas as vezes que alguma pesquisa tenta chegar a uma conclusão, aparece outro paciente com características diferentes mostrando um outro mecanismo. Porém, algumas dúvidas já foram esclarecidas. Por exemplo: Tempo de infecção pelo HIV, idade do paciente e o tempo de uso dos antirretrovirais são alguns dos fatores de risco para o aparecimento da lipodistrofia.

Esse processo é lento e, em algumas pessoas, pode demorar alguns anos para ser percebido. Porém, quando o paciente começa a utilizar os antirretrovirais, ocorre uma aceleração no processo da lipodistrofia e as alterações no corpo se tornam mais aparentes com poucos meses ou anos de uso freqüente desses remédios. Acredita-se que os inibidores de transcriptase reversa estejam mais relacionados com a perda de gordura da face, dos braços e das pernas. Já os inibidores de protease, poderiam causar tanto o acúmulo de gordura na barriga, giba e costas como a perda de gordura dos membros, das nádegas e do rosto.

Suspeita-se que um dos mecanismos que pode causar a lipodistrofia seja a intoxicação da célula (causada pelo ataque às mitocôndrias, chamada de toxicidade mitocondrial) pelos medicamentos e pelo próprio HIV. Outra possibilidade é a perda de energia em repouso que é maior em soropositivos do que nas pessoas em geral. Essa perda de energia já causa um emagrecimento. Logo, ela pode contribuir ainda mais para o afinamento dos braços, pernas, rosto e perda de massa muscular magra, diz Márcio Serra.

Por que algumas pessoas têm e outras não? 

Segundo o dermatologista Márcio Serra, o aparecimento da lipodistrofia pode estar relacionado à herança genética. Pessoas têm reações diferentes quando tomam o mesmo medicamento. Por exemplo, alguns soropositivos têm anemia com o uso da zidovudina. Outros, não. Ele assegura que nenhuma pesquisa até agora conseguiu comprovar características em comum nas pessoas que sofrem de lipodistrofia, exceto às relacionadas ao uso freqüente dos remédios, à idade e à infecção pelo HIV. No caso do aumento do colesterol e de triglicérides, uma pessoa que tem antecedentes familiares de doença cardíaca e que seja fumante pode estar mais propensa a ter sérios problemas de coração.

Parar de tomar os remédios não é a solução! 

Trabalhos científicos indicam que substituindo alguns medicamentos pode-se ter melhora somente no acúmulo de gordura na barriga e na nuca. Porém, a gordura perdida nas outras regiões do corpo pode não voltar. Márcio Serra alerta, no entanto, que parar de tomar todos os remédios não é bom. O primeiro passo é avaliar, junto com o seu médico, todos os sintomas.

"É importante você lembrar que não são apenas os medicamentos que causam lipodistrofia. O HIV também. Logo, pensar em parar o tratamento pode ser uma decisão precipitada que poderá gerar mais problemas no futuro".

"Unidades de saúde credenciadas pelo SUS para cirurgias e preenchimentos"

 Hospital Universitário do Oeste do Paraná.
Av. Tancredo Neves, 3224 - Santo Onofre - Tel: (45) 3321-5151 - Cascavel – PR.

 Hospital Nossa Sra. da Conceição.
Avenida Francisco Trein, 596 - Cristo Redentor - Tel: (51) 3357-2139 - Porto Alegre – RS.

 Hospital de Base/Faculdade de Medicina.
Av. Brigadeiro Faria Lima, 5416 - Vila São Pedro - Tel: (17) 3201-5717 - São José do Rio Preto – SP.

 Conjunto Hospitalar de Sorocaba.
Av. Comendador Pereira Inácio, 584 - Tel: (15) 3332-9100 - Sorocaba – SP.

 Hospital de Clínicas de Ribeirão Preto.
Av. Bandeirantes, 3.900 - Campus Universitário - Monte Alegre - Tels: (16) 3602-1000 / 3633-1144 - Ribeirão Preto – SP

 Hospital Heliópolis
Rua Cônego Xavier, 276 - Contato: hospheliopolis.ouvidoria@ig.com.br - São Paulo – SP.

 Hospital Regional da Asa Norte HRAN.
SMHN - Área Especial - Asa Norte - Tel: (61) 325-4300 - Brasília – DF.

 Irmandade Santa Casa de Misericórdia.
Rua Dr. João dos Santos Neves, 143 - Tel: (27) 322-0074 - Vitória – ES.

 Complexo Hospitalar Dr. Clementino Fraga - (Apenas para o preenchimento facial com PMMA).
Av. Dom Pedro II, 1826 - Torre - Tels: (83) 218-7444 / 218-7327 - João Pessoa – PB.

 Serviços de Assistência Especializada (SAE) - (Apenas para o preenchimento facial com PMMA).
O SAE é um serviço que presta assistência ambulatorial aos pacientes portadores do HIV/aids. O objetivo destes serviços é prestar um atendimento integral e de qualidade aos pacientes, por meio de uma equipe multidisciplinar. Na página do Ministério da Saúde na internet é possível acessar os endereços deste serviço em todo o Brasil.

"Critérios de inclusão para os procedimentos cirúrgicos"

Diagnóstico de HIV/Aids e lipodistrofia decorrente do uso de antirretroviral.

Em terapia antirretroviral há pelo menos 12 meses.

Não respondem ou não podem ser submetidos à mudança da TARV.

Sem manifestações clínicas sugestivas de imunodeficiência nos últimos seis meses.

CD4 > (maior) 200 cel/mm3 (exceto para lipoatrofia facial).

Carga Viral < (menor) 10.000 cópias/ml e estável nos últimos 6 meses (ou seja, sem variação de 0,5 log entre duas contagens).

Parâmetros clínico-laboratoriais que preencham os critérios necessários e suficientes de segurança para qualquer procedimento cirúrgico.

"Critérios de exclusão"

Qualquer condição clínica ou co-morbidade descompensada nos últimos seis meses que confira aumento de risco ao procedimento.

Qualquer tratamento concomitante com anticoagulantes, imunomoduladores, imunossupressores e/ou quimioterápicos.


Maiores informações:

Ministério da Saúde: "CLIQUE AQUI"
 Telefone : 0800-611997

10 comentários:

Anônimo disse...

Alexandre,

Parabéns pelo trabalho, uma dúvida uma pessoa com um nível de infecção muito baixo quase imperceptivel, quanto tempo demoraria para ocorrer a lipodistrofia ?

abs,

Alexandre disse...

Anônimo, não há como responder sua pergunta porque o aparecimento da lipodistrofia está ligado a diversos fatores, entre eles "a própria infecção pelo HIV", inclusive algumas pessoas a desenvolvem e outra não. Dê uma lida mais atenta na matéria acima e também peça explicações para o(a) seu(sua) INFECTOLOGISTA, ok?

Abs

Guilherme disse...

Olá, preciso de ajuda...
Sou aluno do ultimo ano de educação física em Bragança Paulista interior de São Paulo e queria fazer minha pesquisa relacionando o exercício físico com a lipodistrofia, mas não tenho material cientifico suficiente pra isso...
seria possível essa troca de material??
Desde ja agradeço a atenção...

Att Guilherme Rossi

Alexandre disse...

Guilherme, seguem abaixo alguns sites para sua consulta:

http://www.aids.gov.br/pagina/efeitos-colaterais

http://www.aids.df.gov.br/sites/400/446/00000072.pdf

http://www.unigranrio.br/unidades_acad/ibc/sare/V03N01/galleries/downloads/artigos/A03N01P06.pdf

http://www.thebody.com/index/treat/lipodystrophy.html

http://www.aidsmeds.com/articles/Lipodystrophy_10726.shtml

http://www.scielo.br/pdf/jped/v80n4/v80n4a15.pdf

carlos roberto alves campos disse...

CARLOS
OLÁ ALEXANDRE, BOM DIA! TENHO LIDO SEU BLOG; SOU SOROPOSITIVO E PEDI A CAIXA ECONÔMICA FEDERAL O SALDO DE MEU FGTS PORÉM ME INFORMARAM QUE NÃO CONSTAVA NADA E QUE PROCURASSE OS BANCOS EM QUE FORAM DEPOSITADOS; OS BANCOS ME INFORMARAM QUE NÃO TEM INFORMAÇÃO SOBRE CONTAS COM MAIS DE 30 ANOS. POR FAVOR ME INDIQUE UMA ORIENTAÇÃO JURÍDICA, SOU DE BELO HORIZONTE/MG E NÃO CONSEGUI RESPOSTA NOS CONSULTADOS NA INTERNET.
OBRIGADO.

Alexandre disse...

Oi Carlos.

A Caixa tem "obrigação" de lhe passar essa informação corretamente e não simplesmente dizer que "nada consta".

Tente solicitar extratos através da internet neste link: "CLIQUE AQUI"

No site clique em CONSULTAR EXTRATO DO FGTS (que está logo abaixo em amarelo).

Quando abrir a outra janela e caso você não tenha senha, cadastre uma seguindo as instruções do site, e após cadastrada (no mesmo site) solicite os extratos preenchendo corretamente todos os dados, inclusive os que estão na sua carteira profissional.

Se você não conseguir, volte pessoalmente na agência da caixa e fale diretamente com o gerente, pois é a caixa que tem OBRIGAÇÃO de de lhe informar com detalhes e corretamente sobre o seu FGTS.

Abs

Antonio Braga disse...

Ola bom dia! Amigo Alexandre eu ja nao sei mais o que fazer. descobrir que era soro positivo a 4 anos atraz. comecei a tomar os meus retrovirais ha 2 anos e meio, lamivudina, zidovuldina e efavirens. tenho 59 anos, nao bebo e nao fumo e nem me drogo. 6 meses depois que eu comecei com meus retrovirais eu comecei a notar que os meus peitos estavam crescendo muito, convercei com com minha medica ela disse que eu procura-se um cardiologista. fiz todos os exames como, eletrocardiograma, ecocardiograma, mamografia e nao deu nada. o cardiologista disse que era so uma massa cebacia, que eu nao me preoculpa-se, tudo bem. agora depois de 2 anos venho notando que algumas partes de meu corpo estao mudando e muito, o meu bumbum atrofiou, a minha perna estar mais grossa que a outra, esto com problemas cardiocos, muitas dores no peito e corpo inteiro, maos e pernas ficam dormentes sempre e ate deu um probleminha de entopimentos na minha veia horta, muita canceira, no peito que eu nao posso caminhar e nem subir uma pequena escada, problemas de vizicula tambem, coisa que eu nunca tive e por ultimo vem me aparecendo pequenas manchas vermelhas na pernas com um olhinho de puz e me doem muito. falei com minha medica ela disse que nao era nada e nao deu muita atençao. eu fiquei chateado e fui buscas ajuda com outro infectologista e ela disse que eu tinha mesmo que procurar um pisquiatra para me tratar, que meu problema era depressao. obs. os meus exames de sangue estao muito bons, imunidade acima de 1.200 e carga viral indetectavel. na realidade eu sei que isso e muito bom. Eu nao estou procurando estetica para o meu corpo e sim uma melhoria pra meu organismo, ja que eu nao estou bem de saude. Algum tempe atraz eu dizia para as pessoas que eu nao era doente e sim que so tinha o virus. Por favor me de uma orientaçao pois nao sei mais o que faser, tenho ate vontade de parar de tomar os meus retrovirais. Meu nome e Antonio braga meu gmail e jorgeluiz1927@gmail.com Mede uma luz por gentileza pois eu nao sei mais o que faser, um forte abraço.

Alexandre Gonçalves de Souza disse...

Oi Antonio. Li atentamente seu relato e vou lhe dar a minha opinião "leiga"e lhe dizer como é meu dia a dia em relação ao tratamento, até porque muitos desses problemas que você citou eu também enfrento, "porém com a ajuda do meu médico infectologista os mesmos sempre estão sendo monitorados, tratados e amenizados, não com palavras, mas com PROCEDIMENTOS MÉDICOS".

Acredito que você agiu de forma correta quando trocou de médico, já que a 1ª aparentemente não lhe dava muita atenção, mas você também deve fazer a sua parte, que é "exigir" do seu médico infectologista que o mesmo "faça os procedimentos corretos" para verificar o que pode estar ocorrendo, e não "apenas" use palavras como ... ahh você deve estar com depressão, procure um psiquiatra.

Não é assim que deve ser. Seu médico tem OBRIGAÇÃO de realizar exames para investigar as causas dos problemas, diagnostica-los e prescrever tratamentos, ou encaminhá-lo para um especialista, como por exemplo: Cardiologista, neurologista, dermatologista, nutricionista, etc, e estes da mesma forma devem realizar PROCEDIMENTOS MÉDICOS para investigar os problemas e tratá-los corretamente.

Lembre-se que a pessoa que vive com hiv não necessita "apenas dos antirretrovirais", ela também precisa "monitorar periodicamente" todos os aspectos que envolvem a infecção, como efeitos colaterais por exemplo.

Eu e meu médico, "de 4 em 4 meses" realizamos TODOS os exames possíveis para investigar e detectar problemas, são eles: CD4, CARGA VIRAL, HEMOGRAMA COMPLETO, FEZES, URINA, HEPATITES, SÍFILIS, PSA, GLICEMIA, ETC. E foi graças a esse monitoramento que descobrimos que eu manifestei o DIABETES, A NEUROPATIA E A ALTA NOS TRIGLICERÍDEOS, e passamos a monitorá-los e trata-los.

Esses e outros exames PODEM, DEVEM E ESTÃO DISPONÍVEIS NA REDE PÚBLICA, inclusive meu médico e meu tratamento são de um órgão Público, e portanto, se você também é acompanhado dessa forma DEVE E PODE EXIGIR QUE FAÇAM O MESMO, AFINAL É "OBRIGAÇÃO DELES E UM DIREITO SEU".

Antonio, de vez em quando é preciso GRITAR, ESPERNEAR E BRIGAR para que possamos ser "vistos e atendidos como mandam NOSSOS DIREITOS". Não tenha medo DE EXIGIR O QUE É SEU E NÃO SOSSEGUE ENQUANTO NÃO FOR TRATADO COMO DEVE SER TRATADO!

Abraços

*][* disse...

Olá Alexandre,
primeiramente gostaria de agradecer por você manter este blog pois apazígua muitas pessoas desesperadas por pelo menos uma palavra de alívio!

Meu parceiro é soro positivo a quase dez anos e nesse mesmo tempo vem utilizando lamivudina, zidovuldina e efavirens. Por volta de 01 anos começamos a perceber evolução de Lipodistrofia e na última consulta seu médico disse que seu corpo estava mesmo evoluindo para ela. Pelo que pesquisei, não são todos soropositivos que evoluem a ela e seus motivos podem ser simplesmente pelo hiv ou pelo AZT. Você sabe me dizer - sei que a conversa aqui e somente um bate papo, que você não é médico e não está me aconselhando e sim passando suas experiências - sabe me dizer se em todos os coquetéis tem que haver o azt? Lamivudina poderia ser alterado para outro medicamento pois ele é um azt? Pesquisei que há um medicamento para tratar e frear a Lipodistrofia que é o Tesamorelin tendo o nome comercial de Egrifta que é utilizado nos EUA aprovado pela FDA. Também sabe dizer se ele é permitido pela ANVISA? Faço a vocês essas perguntas mas deixo claro que assim que ele tiver uma nova consulta, iremos conversa com o médico.
Muito obrigado
Sérgio

Alexandre Gonçalves de Souza disse...

Sérgio, como "leigo" o que posso lhe dizer é que a lipodistrofia "pode" ser causada pela medicação, no caso a zidovudina(azt), pela própria infecção do HIV, pelo conjunto medicação + vírus e até em certos casos pela pré-disposição do organismo, ou seja, as causas somente podem ser diagnosticadas pelo médico infectologista e este pode, deve e tem a obrigação de orientar seu paciente de como proceder para "prevenir, tratar o problema e se for o caso mudar a combinação antirretroviral", pois (nesse caso) o infectologista saberá qual a combinação mais recomendada e que tem menor ou nenhuma possibilidade de causar a lipodistrofia.

Quanto ao egrifta(tesamorelin) não tenho informações a respeito sobre sua ulilização/aprovação no Brasil, mas você também pode conversar a respeito com o médico que deve ter tal informação, e pode prescrever sua utilização "se for indicado para seu parceiro".

Abs