"NOVO TRATAMENTO PARA HIV/AIDS, FOI APRESENTADO NA CONFERÊNCIA DE BOSTON"


"BMS-663068 -INIBIDOR POTENTE E BEM TOLERADO EM ESTUDOS INICIAIS"

Um novo tipo de droga, A BMS-663068, que atinge a primeira fase de entrada do HIV nas células, mostrou-se segura e demonstrou boa atividade antiviral em um estudo de "FASE 2". A droga foi apresentada em 28/02, na 18ª Conferência sobre Retrovírus e Infecções Oportunistas(CROI), por Richard Nettles da Bristol-Myers Squibb.

A entrada do HIV nas células humanas é um processo de três etapas. O vírus deve primeiro unir-se ao receptor CD4 na superfície de uma célula. Em seguida vincular-se a um co-receptor (CCR5 ou CXCR4). E finalmente fundir-se com a membrana celular, liberando componentes virais dentro da célula. A BMS-663068  funciona ligando-se a glicoproteína do invólucro do HIV-1 gp120, interferindo na primeira etapa da contaminação, quando o HIV inicia sua investida ao receptor CD4. Anteriormente, a BMS-663068 mostrou-se segura e tinha um bom perfil farmacocinético em estudos realizados em mais de 200 voluntários HIV-NEGATIVOS. O resultado apresentado agora, é o primeiro estudo do medicamento em indivíduos HIV-POSITIVOS.

Este ensaio clínico foi efetuado com 50 pessoas portadoras do subtipo B do HIV. Todos homens com idade média de 42 anos, tendo as contagens de células CD4 de pelo menos 200 células/mm 3 (média de 432 células/mm 3) e carga viral de 5.000 cópias/ml ou mais. Cerca de dois terços eram virgens de tratamento antirretroviral, enquanto um terço já tinham utilizado a terapia anteriormente, porém interrompido o tratamento durante pelo menos oito semanas. Os participantes foram aleatoriamente distribuídos e designados a receber 600 ou 1200 mg  da droga BMS-663068, administrada como monoterapia uma vez ou duas vezes por dia, com ou sem Ritonavir (Norvir) para elevar os níveis da droga no sangue. O tratamento durou oito dias.

A BMS-663068 produziu "substancial queda na carga viral ao longo de oito dias", com as maiores quedas observadas durante os primeiros três dias, afirmou Nettles. A diminuição da carga viral máxima para a maioria dos participantes, foi observada vários dias após a última dose. declínios de RNA do HIV foram observadas em todos, mas não foram proporcionais à dose. Um aumento de células CD4 também ocorreu em todos, e o aumento médio teve uma variação de 28 a 106 células/mm3. As células CD8 também aumentaram, com ganhos de 69-288 células/mm3. O perfil fármaco da droga, mostrou que a mesma poderia ser tomada uma vez ou duas vezes por dia. Adicionando Ritonavir apenas modestamente. Além disso, os pesquisadores sugeriram que doses menores do que as estudadas poderiam ser adequadas.

A BMS-663068 foi bem tolerada em todas as doses, sem mortes, efeitos colaterais graves ou interrupções do tratamento devido aos seus efeitos. Dois terços dos participantes apresentaram sintomas considerados como relacionados ao tratamento. Os efeitos colaterais mais freqüentes foram dor de cabeça e erupções cutâneas (relatada por 36% e 16%, respectivamente), considerados leves na maioria.

Com esses resultados promissores, a droga BMS-663068 entrará na "FASE 2B" de ensaios clínicos ainda este ano, e um comprimido de efeito prolongado também está sendo desenvolvido, o que pode permitir uma dosagem menos freqüente.


FONTE: AIDSMAP - CROI 2011


2 comentários:

Clarice disse...

OLá... eu também sou soropositivo.. já faço o tratamento correto ha 1 ano, eu não consigo tomar um dos remedios pois me faz muito mal, então consegui as injeções (FUZEON), porem meu médico está tentando tirar as injeções pois é muito dolorido, são duas doses diarias. No momento eu estou tomando estes medicamentos além da injeção: VIREAD 300MG, LAMIVUDINA 150MG, RALTEGRAVIR 400MG e EFAVIREZ 600MG, porem eu estou passando muito mal, tendo nauseas, tonturas, falta de ar... gostaria de algum conselho..
meu e-mail é: claricecassucio@hotmail.com

Obrigada!

Alexandre disse...

Boa tarde Clarice, pela combinação de arv's que você utiliza, como "leigo", estou deduzindo que você ou desenvolveu a Aids (com doenças oportunistas) ou está com suas defesas/imunidade bem enfraquecidas.
Diante disso e por não saber ao certo como está sua saúde "no geral", o meu conselho à você é que tenha um contato mais esclarecedor com seu infectologista, para que o mesmo lhe passe todas as orientações sobre a medicação, efeitos, o que pode amenizá-los e o mais importante, ser direto e claro sobre a sua saúde "no geral e em relação a infecção pelo hiv".
A +- 15 anos atrás eu estava com meu cd4 em apenas "12", com carga viral acima de 1.000.000, com várias doenças oportunistas e muito debilitado. Mas meu infectologista não "escondeu nada" para não me preocupar ou para me poupar. E posso lhe afirmar que este fato foi o mais importante para minha recuperação, já que eu "senti" que também dependia da "minha participação" esta recuperação. Na verdade essa participação é "fundamental".
Entenda que "não" estou afirmando que você tem outros problemas e que seu médico não está sendo "claro", ou que você "prefere" não saer de "tudo". Porém sempre existem explicações para o que pode estar causando desconfortos ou complicações, e a "nossa" parte é solicitar ao nosso médico que nos deixe totalmente informados, para que possamos "ajudá-lo no tratamento e nos auto-ajudar na "nossa recuperação".
Espero que você entenda o que tentei lhe passar, e fique sempre a vontade para vir aqui conversar, desabafar, etc.

Um grande abraço!