"TRATAMENTO DO HIV/AIDS: Algumas dicas sobre antirretrovirais"

"As dicas são da Médica Infectologista, Dra. Marcia Rachid"

Será que o vírus fica esperando a pessoa lembrar de tomar o remédio ou recomeça a proliferação e se torna resistente?

Que tal cada um pensar e se responder. Tem alguém no mundo que tem um celular que vem sem despertador?

"Noite pode ser considerada de 18 horas até meia noite ou entre 22 e 01 hora da manhã", por exemplo, se quiser tomar mais tarde. "É bom ter um horário mais ou menos igual todos os dias porque garante a eficácia e evita o esquecimento. Se vai sair, pode tomar antes pra não ter que levar pra rua".

O vírus não tem cérebro. Quem pensa é o portador, que não pode esquecer disso!
Há duas escolhas para lutar e ganhar essa batalha, continuando a vida e correndo atrás dos sonhos: Vencer ou vencer!

O vírus não sabe que o ser humano existe. É a pessoa que deve tomar conta do vírus, administrar toda a situação, cada dia, cautelosamente, se cuidando, se amando e tendo certeza da vitória!

Esclarecendo questionamentos: É indiferente comer ou não ao tomar o comprimido conhecido como "3 em 1". Está escrito na própria bula que pode ser tomado com ou sem alimentos à escolha do paciente. Essas respostas são obtidas a partir de resultados de estudos de farmacocinética, ou seja, significa que foi avaliado se o alimento modificava ou não a absorção daquele(s) medicamento(s) e foi comprovado que tanto faz porque não há interferência. Cada um faz como se sentir melhor!

Recentemente, um amigo fez uma brincadeira com a bula de algum dos antirretrovirais dizendo que parece um jornal.
É verdade!
Ninguém deve ler, é claro!

Só que elas existem em decorrência dos estudos e lá há tudo que foi considerado muito importante sobre o remédio: "Como tomar, dose, melhor horário, se precisa de alimento ou é indiferente, se pode partir ou se é proibido partir e proibido macerar o comprimido, quais as interações medicamentosas arriscadas e até perigosas, efeitos adversos, se esses são temporários e o remédio não deve ser suspenso ou se são graves e indicam que deve haver interrupção etc etc".

O que, então, estou querendo dizer?
Elas servem para consultas e todas estão disponíveis em pdf na internet.
"São para os profissionais", porém podem ajudar o paciente a evitar até problemas sérios.

Marcia Rachid

4 comentários :

  1. Excelente a matéria...não adianta se revoltar e não tomar os remédios!! Só quem sabe o valor da vida, adota essas medidas para tentar manter a saúde em um estado ótimo! É um cuidado árduo, mas é possível!! os medicamentos são grande aliados, então melhor é procurar lembrar de tomar....Quanto aos efeitos? Com o tempo, a tendência é reduzir...e a vida prossegue!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pelo comentário NEURI. Só um "pitaquinho Caiçara" rsrs...se a pessoa quiser se revoltar, que se revolte CONTRA O HIV, LUTE CONTRA ELE, E A FAVOR DA SUA PRÓPRIA VIDA! Abração.

      Excluir
  2. Oi Alexandre recebo o auxílio doença desde 2009 com base em minhas doenças neurológica também consegui através da justiça federal advém que em jan/2012 entrei em coma e fui diagnosticado com HIV +1 neurotoxoplasmose e seqüelas motoras e tudo que faço me esqueço fiquei torto do lado direto braço e pernas como faço quando for chamado me ajuda por favor

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Independente ou, melhor, antes de ser convocado (ou não) vá adiantando conversas com os médicos que acompanham os seus tratamentos a respeito desta possibilidade, pois certamente eles vão orientá-lo e se for necessário saberão como emitir laudos detalhados para que você possa apresentar ao INSS. No seu caso o mais provável e correto (caso seja convocado) é a transformação do seu auxílio doença em aposentadoria por invalidez e não a cessação do benefício. Mas é "claro"...estamos no Brasil e tudo pode acontecer. Porém e "caso cancelem seu benefício", você poderá recorrer judicialmente se necessário.

      Excluir