"Dores da alma" - (Versão Caiçara)


As dores da alma não deixam recados, imprimem uma sentença que perdura pelos anos.

Um relacionamento que acabou mal resolvido,
um emprego que se perdeu inexplicavelmente,
uma família que mal começou e já se desfez,
uma amizade perdida por rancores,
um impulso com consequências inesperadas,
enfim, tudo vai deixando sinais, marcas profundas.

Precisamos trabalhar as dores da alma, para que sirvam apenas de aprendizado, extraindo delas a capacidade de nos fortalecermos, aprendendo...

que o melhor de nós, ainda está em nós mesmos,
que amando-nos incondicionalmente, descobrimos a auto-estima,
que se seguirmos o caminho da dor e da lamentação,
iremos buraco abaixo no caminho da depressão.

As dores da alma não saem no jornal, não viram capa de revista, e só quem sente, pode avaliar o estrago que elas causam. Como não existe vacina para situações mal resolvidas, nem para as decepções diárias, o que vale é a prevenção, então:

Ame-se para amar e ser verdadeiramente amado.
Sorria para que o mundo seja mais gentil.
Dedique-se, para que as falhas sejam pequenas e supere-as.
Não se compare, você é único.
Repare nas pequenas coisas, aquelas que têm importância.
Tome cuidado com as grandes, que geralmente não têm importância alguma.
Jamais esqueça de quem o acolheu nos piores momentos da sua vida.
Troque o sentimento egoísta pela solidariedade, pela humildade, pela gratidão.

Sonhe, pois o sonho é o combustível da realização.
Tenha amigos e seja o melhor amigo de todos.
Apaixone-se e ame a vida.
Perceba que sem ela, tudo perde o sentido.

Não procure o seu sentido, pois essa busca insana não permite que você sinta, que ele está bem diante dos seus olhos. Orgulhe-se da sua boa índole, espalhe bem querer, afeto, compreensão, amor próprio e ao próximo. Contagie o mundo com o seu melhor.

E tenha absoluta certeza que a VIDA sempre vale a pena!


Por: Alexandre Gonçalves de Souza

Esta postagem foi adaptada do texto original,  publicado/apresentado no programa "No mundo da bola" da Rádio Jovem Pan de São Paulo, em 31/05/2008

Nenhum comentário :

Postar um comentário