"INSS foi condenado por afronta às garantias constitucionais ao suspender indevidamente aposentadoria por invalidez de segurado".


O aposentado ajuizou ação para restabelecimento da aposentadoria e a condenação da autarquia em danos morais: "Pela suspensão do benefício antes da instauração de processo administrativo para verificar a condição do segurado. No processo, ficou comprovado que ele não estava trabalhando e persistia a doença que causou a invalidez, agora agravada pela falta de renda".

A juíza de direito Nária Cassiana Silva Barros, de Paranaíba/MS, entendeu comprovado que o autor da ação não está apto para exercer atividade laborativa e este fato é tido como permanente, "razão pela qual a concessão de aposentadoria por invalidez é medida de rigor". E, assim, considerou indevida a cessação do pagamento do benefício.

Também quanto a esse pedido a juíza acolheu a tese do segurado. Isso porque, o benefício previdenciário foi cessado em virtude de prestar serviço voluntários na Santa Casa de Misericórdia de Paranaíba, e antes mesmo da instauração do processo administrativo, "o que revela descumprimento das garantias constitucionais".
"A conduta da requerida foi abusiva, posto que os argumentos lançados para cessação do benefício previdenciário são inverossímeis, conforme já provado pelo laudo pericial. No que diz respeito ao dano causado, é perceptível que a conduta ilícita que originou o corte na aposentadoria lhe atingiu a honra subjetiva, uma vez que a sua subsistência é por ela provida. A magistrada fixou o valor da indenização em R$ 10 mil".

Nenhum comentário :

Postar um comentário